terça-feira, 23 de junho de 2009

Um monólogo interior, em busca do vale encantado


Farta… sinto-me já sem pernas sem braços e sem cérebro lúcido… estou em pranto desespero da vida , vejo-me num precipício e prestes a cair…
Quero o Céu a Terra o fogo e o Mar, quero a perfeição alcançar, aquela perfeição imperfeita de um equilíbrio próximo, mas parece que nada alinha nesta terra, parece-me tudo tão contraditório e inseguro. Porque é que tudo tem de ser assim tão nublado... por agora, e logo agora? Quero achar o caminho que passa esta neblina e encontrar um tal vale encantado por ai. Sei que existe e tenho essa esperança. A vida não tem de ser assim, já que é tão curta… não pode, isto tem de ser uma ilusão temporária, uma gracinha de percurso! Tem de ser…
Quero sonhar e ir mais alto, encontrar as pessoas certas, quero sentir-me completa e conseguir completar quem me rodeia. Quero e quero e depois?? Nada tenho.
E um dia:
Um dia espreito-te da janela como se chamasses por mim, não estas cá mais uma vez, pura ilusão temporal. Sinto-te como se fosse ontem, como se a lua ainda me iluminasse com aquela cor ténue esbranquiçada, e não com estas luzes inquietantes, irritadiças e instáveis que agora ousam atacar-me. Pior quando te enxergo realidade e odeio-te agora por isso! Mas sei que um dia te vou amar, e olhar-te-ei com outros olhos, de me esfregares tantas verdades na cara!
Quero libertar-te de minha alma e olhar para ti como ser que agora te tornaste dentro do meu mundo, e esquecer aquilo que agora parece já nada significar. Nada poderás alterar sozinha nesta batalha, em que o término ilusoriamente parece ainda não ter chegado... Todo o meu acto, atitude, gesto, mudança é em vão, nada parece valer a pena neste desnorteado presente, nada dos meus actos terá agora o devido valor, serão olhados como bichos e de forma contrária ao que são… É o desespero, sentir e não ser sentido, ganhar e depois perder, e ser a única a ver coisas, coisas essas que agora parecem vazias à espera de um rechear de riquezas perdidas...
Esquece! Sendo assim então o caminho terá de ser outro!
Agora exploro-te mundo meu, agora que me posso dedicar e abraçar-te, por sentir-me numa tal sala branca, uma sala branca vazia sem ninguém, onde só eu estou para me ajudar.
Um dia, espero... abrirei a porta, para um encontro verde acompanhado por suas cores primarias,segundarias e terçarias, e ai, dar de caras com um tal de vale encantado! Já me pareceu mais longínquo...


Sofia Proença

5 comentários:

  1. Vive nessa sala branca e pinta-a com novas cores. Como tábua rasa, a vida é escrita à medida que é vivida!
    Sem medos, sorri, deixa-te surpreender com tudo o que te aparece, qual criança aberta ao mundo!
    É díficil, eu sei, mas o Homem é Homem por domar as adversidades com que se cruza!
    Luz para ti!
    ;)

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Vale encantado.
    Cheia de sentimentos neste texto. Cheia de um todo que julgas vazio e despido. Olha bem para dentro de ti e verifica que ainda tens muito a encontrar!
    E é exactamente como diz o Samuel, pinta essa sala branca que julgas vazia. Enche-a com as mais belas cores que possas inventar. Desse modo estarás a colorir-te novamente a ti, quando te julgas perdida e desnorteada!
    Infelizmente, ou felizmente, este texto tocou-me ainda mais do que os outros, talvez por sentir na pele o mesmo que tu. No entanto, denoto que prossegues no bom caminho, nessa transmissão do sentir nas palavras.
    Beijo grande e força nessa demanada, onde eu estarei sempre sentado para ser um dos teus pilares!

    ResponderEliminar
  4. sem duvida o melhor texto..todos procuramos o vale encantado mas nem sempre encontramos o caminho certo.
    força! beijinho*

    ResponderEliminar